Ataque a tiros deixa dez mortos em escola de Suzano, na Grande São Paulo

0
46

SÃO PAULO — Um colégio estadual de Suzano, na Grande São Paulo, foi palco de uma tragédia na manhã desta quarta-feira. Dois atiradores invadiram a Escola Estadual Raul Brasil , no Jardim Imperador, e abriram fogo a esmo no horário do intervalo. Eles mataram sete estudantes, uma funcionária do colégio e se suicidaram em seguida.

O ataque deixou ao menos 16 feridos, que foram encaminhados para dois hospitais da região e para o Hospital das Clínicas, na capital paulista, para onde foram transferidas duas vítimas que apresentam estado c

A polícia investiga se os atiradores se envolveram em outro crime antes de invadirem a escola. Por volta das 9h, dois atiradores entraram em uma concessionária de carros que fica na vizinhança, a Jorginhos Veículos.

Segundo testemunhas, eles perguntaram pelo nome do dono do estabelecimento e, quando o homem se apresentou, deram três disparos. Na sequência, foram de carro até o colégio, distante cerca de 500 metros. A vítima está internada.

Imagens de câmera de segurança de um casa que fica na rua do colégio mostram os atiradores descendo de um carro branco. Minutos depois, o vídeo mostra dezenas de estudantes pulando o muro do colégio para fugir.

Segundo o comandante geral da PM, coronel Marcelo Vieira Salles, além de um revólver 38, os assassinos portavam arco e flechas, uma machadinha, coquetel molotov e artefatos explosivos.

— Ao entrar na escola, eles atiraram numa coordenadora pedagógica, numa outra funcionária e em mais quatro alunos do ensino médio. Em seguida, dirigiram-se ao centro de línguas, onde os alunos se fecharam na sala de aula. Os dois homicidas então se suicidaram no corredor — afirmou o policial.

Imagens divulgadas pelas redes sociais mostram que um dos atiradores usava um capuz com o desenho de uma caveira, vestia camiseta e calça pretas e luvas na mão direita.

— Em 34 anos de polícia nunca vi nada igual. Um atentado de alguém que não tem o domínio de suas faculdades — disse o coronel.

Relatos feitos por testemunhas à polícia dão conta que os atiradores carregavam também uma caixa com fios, o que levou a polícia a suspeitar que poderia ser uma bomba.

Num primeiro momento, a polícia revelou que os atiradores eram ex-alunos da escola Raul Brasil. Mais tarde, porém, o governador João Doria (PSDB) disse que, segundo a diretora da instituição, eles nunca estudaram na unidade.

 

— Provavelmente foi um ato premeditado. Entraram equipados, com máscara, mas a gente não tem ainda a motivação — disse o coronel da PM Fábio Pellegrini, que também acompanha o caso.

Após visitar a cena do ataque a tiros, o governador João Doria prestou solidariedade aos familiares das vítimas:

— É a cena mais triste que assisti na minha vida. Triste que isso ocorra em meu país e em São Paulo. Estou muito impactado. Fui ao local e fiquei consternado, chocado. Quero prestar a nossa solidariedade e esperança às famílias para que todos possam se recuperar — disse o governador.

Após o crime, uma aglomeração de pais e parentes de alunos se formou no entorno do colégio. A PM montou um cordão de isolamento, e a Defesa Civil tenta organizar o encontro entre eles e os alunos.

A Prefeitura de Suzano montou uma estrutura em um centro comunitário para dar apoio psicológico aos familiares das vítimas.

A escola Raul Brasil tem cerca de 1 mil alunos matriculados e 105 funcionários, segundo dados do Censo Escolar de 2017. A escola oferece aulas para turmas do 6º ano do ensino fundamental à 3ª série do Ensino Médio.

 

Dimitrius Dantas, Elisa Martins e Gustavo Schmit (O Globo)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui